Passar para o Conteúdo Principal Top
C.M. Ílhavo - Voltar ao início
share rss facebook

Celeste Sacramento

"Ó padeirinha que vais a cantar , dá-me os teus sonhos para eu sonhar, dá-me os teus sonhos que eu dou-te o meu pão, ou dou-te um beijinho e um xi -coração. Nós somos as padeiras que vimos lá do Vale, cantamos como romeiras à festa do Hospital.

Cantai, cantai padeiras ao som de Portugal.

Quem comprou o pão fresquinho, que eu cozinhei a cantar? Azanhei o meu moinho que é mais puro que o luar."

 

Celeste Sacramento nasceu a 4 de janeiro de 1927 em Vale de Ílhavo. Descendente de uma família de padeiras, uma das muitas que habitavam, e ainda habitam, este lugar do nosso Concelho, desde muito cedo se iniciou nesta atividade, que ainda hoje mantém, ajudando a sua mãe na venda dos famosos e saborosos folares e padas de Vale de Ílhavo, numa altura em que esta venda ainda era feita com as cestinhas do pão à cabeça, de madrugada, casa a casa, freguesa a freguesa. Mais tarde era habitual vê-la de bicicleta, com os cestos cheios de pão, a percorrer as ruas da freguesia, em especial as da Carvalheira.

 

Casou-se muito jovem, aos 19 anos, tendo tido três filhos. Hoje é mais antiga padeira de Vale de Ílhavo em atividade e uma das principais referências da "Rota das Padeiras", que a Câmara Municipal de Ílhavo leva a efeito todos os anos no âmbito das Festas do Município - Mar agosto, ainda sente a arte de fazer pão a correr-lhe nas veias. É esta arte, com segredos que passam de geração em geração, que a motiva a levantar-se todos os dias por volta das 3 horas da madrugada, para colocar a primeira fornada de pão, sempre num forno a lenha, a que se segue a segunda e a terceira. Depois de tudo isto ainda lhe sobra tempo para as tarefas domésticas, já que o almoço tem que ser preparado, a roupa tem que ser lavada e as camas têm de ser feitas.

 

A Páscoa é tradicionalmente um ponto alto da elaboração das padinhas e dos folares, uma época sempre de grande azáfama, já que normalmente a partir de quarta-feira, devido ao elevado número de encomendas, ninguém dorme lá em casa.

 

Manteiga, fermento, sal, farinha, ovos, açúcar e sobretudo muito amor são os ingredientes fundamentais daquilo que tão bem sabe fazer e que há quase 80 anos fazem parte do seu dia a dia.


voltar à página anterior