Passar para o Conteúdo Principal Top
C.M. Ílhavo - Voltar ao início
share rss facebook

Carlos Manuel de Marques Paião

Carlos Manuel de Marques Paião nasceu no dia 1 de novembro de 1957 na cidade de Coimbra onde a assistência médica era melhor do que na, então, vila de Ílhavo. Mas era um ilhavense porque toda a sua família é de Ílhavo, a começar pelos seus pais. Se dúvida houvesse bastava ouvir as expressões e palavras típicas da nossa terra que ele usou em algumas das suas canções.

 

Em 1962 começou a aprender a tocar acordeão e em 1978 tinha mais de 200 canções escritas. Estreou-se no "mundo das cantigas" em 1978 no Festival da canção do Illiabum Clube de Ílhavo onde conquistou dois prémios, sendo um deles o melhor intérprete.

 

Em 1980 trocou, definitivamente, o curso de medicina que frequentava em Lisboa pela carreira musical. E logo no ano seguinte ganhou o Festival RTP da Canção representando Portugal no Eurofestival da Canção realizado, nesse ano, em Dublin, na República da Irlanda. A canção era o conhecidíssimo "Play-back", uma sátira aos cantores que enganam o público cantando em play-back.

 

Compositor, intérprete, instrumentista e produtor foi como letrista que o seu nome ganhou maior dimensão escrevendo para vários artistas, inclusive para Amália Rodrigues.

 

Entre as muitas canções que escreveu e cantou todos se recordam de "Cinderela", "pó de arroz", "Vinho do Porto", "Marcha de Pião das Nicas", "Souvenir de Portugal", "Eu não sou poeta", "Versos de Amor", Lá longe Senhora" e tantas outras em que brincava com as palavras descobrindo-lhe a beleza e a poesia.

 

Carlos Paião morre no dia 26 de agosto de 1988 ironicamente vitimado pela aparelhagem e colunas de som que transportava no carro quando este teve um acidente de viação.


voltar à página anterior