Passar para o Conteúdo Principal Top
C.M. Ílhavo - Voltar ao início
share rss facebook

Augusto Miguel Freitas Pereira

Nascido em 1971, em Ílhavo, Augusto Pereira é carpinteiro de profissão, no Centro de Ação Social do Concelho de Ílhavo (CASCI), onde, desde cedo, descobriu a sua vocação para o desporto, participando em diversas provas de atletismo.

 

No entanto, sempre demonstrou grande entusiasmo e amor pelo Ciclismo, acabando por abraçar esta modalidade com todo o "empenho, dedicação e força de vontade", como refere o seu treinador, o professor Henrique Santos.

O percurso do atleta como ciclista iniciou-se em 1995, ano em que participou, pela primeira vez, nas Provas de Ciclismo integradas no Calendário Nacional da Associação Nacional de Desporto para Deficiência Intelectual - ANDDI, destacando-se, desde logo, pela excelência do seu desempenho.

 

A partir daí, Augusto Pereira prosseguiu a sua carreira desportiva na alta competição para atletas portadores de deficiência (Paralisia Cerebral - Divisão 3), marcando presença assídua nas mais importantes competições internacionais e conquistando títulos de elevado prestígio, salientando-se a participação nas Paraolimpíadas de Sidney 2000 e Atenas 2004, onde ficou nos honrosos décimo e nono lugares, respetivamente.

 

Em 1998, o atleta Ilhavense foi vice-campeão do mundo de estrada nos Campeonatos do Mundo de Paralisia Cerebral (IPC), nos Estados Unidos, levando para casa a Medalha de Ouro no ano seguinte, nos Campeonatos da Europa, em contrarrelógio.

 

No ano de 2001, Augusto Pereira conquistou a Medalha de Prata nos Jogos Mundiais de Paralisia Cerebral, em Inglaterra, sendo novamente vice-campeão de estrada, desta vez nos Campeonatos da Europa, realizados na República Checa, em 2003.

 

A pouco mais de um mês da abertura dos Jogos Paraolímpicos de Pequim 2008, Augusto Pereira leva já consigo mais uma medalha, a de vice-campeão do Mundo de Contrarrelógio curto, conquistada nos Campeonatos do Mundo de Idanha-a-Nova. Pela terceira vez, o atleta de Ílhavo marca presença nas Paraolimpíadas, sendo mais uma vez o único representante da comitiva portuguesa na modalidade de Ciclismo.

 

Aos 38 anos, Augusto Pereira encontra-se, provavelmente, em fim de carreira, mas nem por isso menos motivado. Na opinião do treinador Henrique Santos, o ciclista mantém sempre "um grande espírito de luta, regularidade, sacrifício e motivação", demonstrando, ao longo dos anos, uma grande paixão pelo Ciclismo e pelo desporto.

 

O desempenho brilhante e a dedicação extraordinária do atleta da nossa Terra tem sido permanentemente reconhecido pela Câmara Municipal de Ílhavo, que tem atribuído vários subsídios à Associação Nacional de Desporto para a Deficiência Mental - ANDDEM, como forma de apoiar Augusto Pereira nos Campeonatos de Ciclismo para atletas portadores de deficiência mental.


voltar à página anterior